PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

PONTO DE PARTIDA (pág.1)
Bráulio Luna Filho


ENTREVISTA (pág.4 a 9)
Roberto Cardoso


CRÔNICA (págs. 10 a 11)
Gregório Duvivier*


SOLIDARIEDADE (págs.12 a 15)
Saúde & países pobres


DEBATE (págs.16 a 21)
Transplante de fígado


HISTÓRIA DA MEDICINA (págs. 22 a 25)
Guido Arturo Palomba*


GIRAMUNDO (págs. 26 a 27)
Curiosidades & Novidades


PONTO.COM (págs. 28 a 29)
Informações do mundo digital


HOBBY (págs. 30 a 33)
Médicos escritores e blogueiros


CULTURA (págs. 34 a 38)
A cidade por outra visão


LIVRO DE CABECEIRA (pág. 39)
Arte & Ciência


+CULTURA (págs. 40 a 41)
Lazer & entretenimento


TURISMO (págs. 42 a 46)
África do Sul


CARTAS & NOTAS (pág. 47)
Leitores


FOTOPOESIA (pág. 48)
Sá de Miranda


GALERIA DE FOTOS


Edição 70 - Janeiro/Fevereiro/Março de 2015

SOLIDARIEDADE (págs.12 a 15)

Saúde & países pobres

 

Remédios: há quem se lembre das doenças negligenciadas

 

Milhões de pessoas em todo o mundo, principalmente as habitantes de países pobres ou em desenvolvimento, são afetadas pelas chamadas doenças negligenciadas, como leishmaniose, malária, doença de Chagas, doença do sono, HIV pediátrico e filarioses. Contudo, elas recebem pouco ou nenhum investimento por parte da indústria farmacêutica na pesquisa e produção de melhores medicamentos, devido ao baixo retorno financeiro. Assim, as pessoas infectadas por essas enfermidades são obrigadas a se submeterem a tratamentos dolorosos, com vários efeitos colaterais e pouco eficientes.

É nesse contexto que a organização não governamental suíça Iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas (Dru­gs for Neglected Diseases Iniciative (DNDi) atua. Por meio de apoio, planejamento e gerenciamento de parcerias de pesquisa, ela busca desenvolver tratamentos menos dolorosos, seguros, sem efeitos colaterais e mais eficientes, de modo que esses estejam ao alcance das populações de baixo poder aquisitivo. “Vejo a DNDi como uma ponte”, diz Carolina Batista, diretora médica do escritório da organização para a América Latina.

“São medicamentos com uma boa eficácia e que podem ser usados em condições de campo, em áreas de difícil acesso”. Atualmente, a DNDi tem vários parceiros e doadores, entre eles instituições públicas, privadas e governamentais, que também contribuem com a produção de novos fármacos. “A gente coloca toda a ciência para atender essas pessoas”, afirma Carolina.

 

História

Quando a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) ganhou o Nobel da Paz, em 1999, recebeu, como prêmio, US$ 1 milhão, e decidiu investir esse dinheiro na criação do Fundo para Doenças Negligenciadas. Mais tarde, em 2003, criou a DNDi, pois em alguns países atendidos pela MSF, nos quais havia pacientes com doenças negligenciadas, eram raros os tratamentos disponíveis, além de pouco eficientes e tóxicos. Para tanto, contou com o apoio de organizações já existentes nos países mais afetados.

Além da MSF, a DNDi tem como membros fundadores o Conselho Indiano de Pesquisa Médica, o Instituto de Pesquisa Médica do Quê­nia, a Fundação Oswaldo Cruz (Brasil), o Ministério da Saúde da Malásia e o Instituto Pasteur (França). O Departamento de Pesquisa e Capacitação em Doenças Tropicais (TDR) da Organização Mundial da Saúde (OMS) participa como observador permanente.

A DNDi conta com sete escritórios espalhados pelo mundo, sendo um no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, responsável pelas ações da organização na América Latina. Já a sede está localizada em Genebra, na Suíça.

 

O processo

Os medicamentos desenvolvidos com o apoio da DNDi devem ser, segundo a organização, simples, orais, seguros e eficazes, podendo ser usados em áreas com sistemas de saúde limitados. Por trás deles há um longo processo. A primeira fase é a de pesquisa, na qual são selecionados, em laboratórios especializados, compostos que, futuramente, possam se tornar novos medicamentos.

Na segunda fase, a de pesquisa translacional, é avaliada a aptidão da molécula, selecionada na primeira fase para se tornar um medicamento. Para isso, são feitos testes in vivo e in vitro. Posteriormente, também são realizados testes pré-clínicos e, depois, ensaios com pessoas saudáveis e enfermas.

Apesar dos testes feitos anteriormente para comprovar a eficácia e a segurança do novo fármaco, são necessários mais testes em grande escala. Por isso, são realizados estudos clínicos, ou seja, pacientes de lugares onde as doenças negligenciadas são endêmicas passam a ser tratados com a nova medicação. Se os resultados apresentados nessa fase forem satisfatórios, é obtida a autorização das agências reguladoras e, dessa forma, o medicamento é registrado e pode ser produzido, importado e distribuído.

Após o registro do novo medicamento, é necessário ainda testá-lo em condições não controladas.


A doença de Chagas é uam das enfermidades que recebem
pouco ou nenhum investimento por parte da indústria farmacêutica


Tratamentos desenvolvidos

Realizando todo esse processo, a iniciativa já conseguiu produzir e disponibilizar, desde sua criação, seis novos tratamentos: dois contra a malária, dois contra a leishmaniose visceral, um contra a tripanossomíase humana africana (doen­ça do sono) e um contra a doença de Chagas. Desses, dois foram desenvolvidos no Brasil.

Um deles é o ASMQ, que consiste numa combinação em dose fixa de artesunato e mefloquina, substâncias utilizadas no tratamento da malária. O fármaco, desenvolvido por uma parceria entre a DNDi e o Instituto de Tecnologia em Fármacos Farmanguinhos, da Fiocruz, trouxe – ao combinar ambas as substâncias, que eram utilizadas de forma separada – menos efeitos colaterais e, com isso, teve maior adesão dos pacientes. Uma pessoa adulta, na terapia convencional com quinino chegava a ingerir até 24 cápsulas. Com o ASMQ, são apenas seis. O novo medicamento também está disponível na forma líquida para crianças.
 

“Uma experiência de tanto sucesso chegou a ser  transmitida para o laboratório indiano Cipla”, comenta Carolina sobre a transferência de tecnologia feita entre Farmanguinhos e a Cipla Global Limited, uma multinacional pública farmacêutica da Índia, o que facilitou a implantação mundial do ASMQ.

O outro tratamento desenvolvido pela DNDi no Brasil é uma formulação em dose pediátrica do benznidazol, medicamento usado no combate à doença de Chagas. O fármaco foi resultado de uma parceria da iniciativa com o Laboratório Farmacêutico de Pernambuco (Lafepe), segundo maior laboratório público brasileiro, que tem a função de produzir medicamentos de baixo custo para as populações de menor poder aquisitivo.

Por não haver uma dose pediátrica do benz­nidazol, a dose adulta, muitas vezes, acabava sendo fracionada para ser administrada em crianças. Contudo, o fracionamento não garantia a correta posologia. “Quando se quebra o medicamento em vários pedaços, você nunca pode ter a certeza de que está dando a dose certa”, explica Carolina. Sendo assim, foi desenvolvido o benznidazol pediátrico, um comprimido com a dosagem adequada para o uso em crianças e bebês com a doença de Chagas. O medicamento, já registrado no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é também fornecido na forma líquida, para facilitar a administração aos pequenos.

 

Futuro

Apesar de já ter desenvolvido seis tratamentos contra as três principais “doenças-alvos” – Chagas, leishmaniose e malária – a DNDi pretende desenvolver, até 2018, de 11 a 13 novos medicamentos contra as enfermidades negligenciadas. Também há a possibilidade de a ONG atuar no desenvolvimento de fármacos para outras doen­ças. “Pensamos em, talvez, expandir o nosso portfólio de trabalho e ampliá-lo para outras doenças”, anuncia Carolina.

 

(Colaborou: Wellington Monteiro)

 

 


Este conteúdo teve 573 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

Delegacia da Vila Mariana: Rua Domingos de Moraes, 1810
Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04010-200

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2018 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 148 usuários on-line - 573
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior