PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

ENTREVISTA (pág. 3)
Gabriel Wolf Oselka


NOTÍCIAS (pág. 4)
Plenária do Cremesp recebe ministro da Saúde e exige soluções para a crise


ESPECIAL (PÁG. 5)
Serviços exclusivos conferem destaque ao Conselho paulista


ESPECIAL (PÁG. 6)
Exposição registra pujança do Conselho paulista nas lutas em prol da Saúde


ESPECIAL (PÁG. 7)
Ações regionais foram referências para regulamentações no País


ESPECIAL (PÁG. 8)
O percurso do Cremesp rumo à regulamentação dos Conselhos de Medicina


ESPECIAL (PÁG. 10)
Médicos de SP ganham obra de arte exclusiva do artista plástico Guto Lacaz


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (PÁG. 11)
Presidente do Cremesp fala sobre papel dos Conselhos em congresso internacional


ESPECIAL (PÁG. 12)
O que nos reserva a Medicina dos anos futuros?


EU, MÉDICO (PÁG. 13)
Para médica, avanço tecnológico não significou avanço humano


EDITAIS (pág. 14)
Convocações


ESPECIAL (pág. 15)
Cremesp é um dos protagonistas do pensamento bioético no País


EDITORIAL (pág. 2)
Cremesp na vanguarda


GALERIA DE FOTOS



Edição 351 - 09/2017

EU, MÉDICO (PÁG. 13)

Para médica, avanço tecnológico não significou avanço humano


Para médica, avanço tecnológico não significou avanço humano

Há 60 anos, Lenira Tabosa Pessoa iniciava uma trajetória ainda incomum na Medicina no País. Além de ser uma das pioneiras na Medicina Aeroespacial, ela também desenvolveu estudos em Medicina Psicossomática, áreas que, de alguma maneira, estavam em concordância com a modernidade daqueles tempos. Nascida em Caruaru, Lenira foi morar em Recife para estudar Medicina na Universidade Federal de Pernambuco nos anos de 1950. Em uma turma de 70 alunos, apenas dez eram mulheres. Dessa época, ela lembra da estratégia com as colegas para enfrentar atitudes preconceituosas de um professor. “Para tentar nos proteger das imoralidades que ele dizia, sentávamos todas juntas”, conta.

Formada em 1957 – mesmo ano em que a Lei 3.268 de criação oficial dos Conselhos de Medicina entrava em vigor – Lenira especializou-se em Psiquiatria antes de mudar-se para São Paulo, em 1961, para um estágio em Medicina Psicossomática no Hospital das Clínicas. No ano seguinte passou a trabalhar no recém-­inaugurado Hospital do Servidor Público Estadual, onde atuou por 28 anos, até a aposentadoria.

Na adolescência, a médica sonhava em ser astrônoma. O interesse pela aviação era compartilhado com o irmão Lenildo e foi despertado pelos textos do escritor e aviador francês Antoine de Saint­-Exupéry, que, além de O pequeno príncipe, escreveu livros como Voo noturno, Piloto de guerra e Terra dos homens. O irmão tornou-se piloto e jornalista, sendo criador de um jornal de aviação, no qual Lenira assinava uma coluna médica.

Em 1969, Lenira ingressou na antiga Varig como médica dos funcionários, incluindo os tripulantes de aeronaves. Mais tarde, passaria a atuar como professora de Medicina Aeroespacial do Centro de Treinamento de Comissários da Varig.

A especialização em Medicina de Aviação foi feita no Centro Nacional de Medicina de Aviação do México; a Universidade Nacional Autônoma de México; e a Wrigth Patterson Air Force Base, nos Estados Unidos.

Lenira publicou o livro Medicina de Aviação, edição pioneira no Brasil na área. Algumas universidades adotaram o livro como apostila de cursos. “Se esse livro conseguir habilitar melhor tripulantes e passageiros para usufruírem da aventura de voar, sem prejuízo para seu organismo, a autora se sentirá recompensada”, escreveu Lenira em seu prefácio.

A médica Lenira, junto com as alunas e comissárias de bordo da Varig

Há mais um livro no currículo da médica. Um homem chamado Luiz é a biografia de seu pai, um educador.

Lenira considera extraordinários todos os avanços tecnológicos e científicos que hoje proporcionam melhor tratamento médico aos pacientes. Recentemente, ela própria passou por uma cirurgia de transplante de córnea e se impressionou com o método moderno utilizado. “Sou muito grata a essa evolução da Medicina, o método anterior é mais simples e antigamente havia muita rejeição desse tipo de transplante”, conta.

A médica, entretanto, lamenta que o avanço tecnológico não tenha representado avanço humano. “De alguma maneira, acabou-se a empatia, a maioria dos médicos não se coloca mais no lugar do outro, não consegue sentir como o outro”, conclui.


Este conteúdo teve 310 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede - Frei Caneca: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - 01307-002

Subsede - Vila Mariana: Rua Domingos de Moraes, 1810
Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

Sede - Consolação: Rua da Consolação, 753
(Sem atendimento ao público)
Centro - São Paulo/SP - 01301-910

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 5908-5600 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2017 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 143 usuários on-line - 310
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior