Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 14-11-2018
    Reunião
    Diretoria do Cremesp encontra delegados e representantes de entidades da saúde de Marília
  • 14-11-2018
    Nota pública
    Cremesp ratifica defesa do exame de revalidação do diploma de médicos formados no exterior
  • 13-11-2018
    Atendimento
    Expediente no feriado
  • 13-11-2018
    Campanha
    Cremesp apoia o Novembro Azul, visando promover a educação em saúde masculina
  • Notícias


    31-08-2018

    Nota Pública

    Cremesp contesta declarações de Gonzalo Vecina na Globonews

    O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) exprime sua indignação com as declarações do médico Gonzalo Vecina Neto, entrevistado no programa Alexandre Garcia, da Globonews, no dia 29 de agosto de 2018. Esta Casa, que sempre defendeu o Sistema Único de Saúde (SUS) e almeja uma ampla reforma do Estado brasileiro na gestão da Saúde, vê com apreensão as declarações de Vecina, que construiu seu discurso jogando os problemas do sucateamento do Sistema no médico, que também é vítima do descaso do Poder Público.

    Vecina, que foi secretário Municipal de Saúde de São Paulo, secretário Nacional da Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde e presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), tenta atribuir ao médico os problemas governamentais dos quais conhece muito bem, teve oportunidade de resolver, mas pouco contribuiu para a solução.

    Ele sabe que o médico atua em jornadas extenuantes e tem seu exercício prejudicado pelas más condições de trabalho oferecidas no SUS, situação essa que, por vezes, chega a ser humilhante, tal a deficiência de insumos e equipamentos. E, ao contrário do que mencionou Vecina, um médico que trabalha na periferia não ganha “salário exorbitante” ou “R$ 20 mil no SUS”. Pelas suas 7.800 horas de graduação e mais 5.000 horas de Residência Médica, recebe uma média mensal de R$ 8.500, na Prefeitura Municipal de São Paulo, ou de R$ 7.600, no Governo do Estado de São Paulo.

    Quando defende a presença do Terceiro Setor como solução para uma gestão eficiente do SUS, esquece dos problemas e desvios ocasionados por algumas Organizações Sociais de Saúde (OSS), alvos de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs), inclusive em São Paulo. Ao respaldar em sua fala o Programa Mais Médicos, que pretendia levar profissionais para regiões distantes, ignora a Demografia Médica no Brasil 2018, estudo do Cremesp e CFM, realizado pela USP, que demonstra a concentração de médicos nas grandes cidades do País. As 27 capitais da federação reúnem 23,8% da população e 55,1% dos médicos, ou seja, mais da metade dos registros de médicos em atividade continua se concentrando nos grandes centros urbanos enquanto a escassez se mantém nos interiores e nos locais mais longínquos.

    E, por fim, como professor, Vecina deveria repensar sua posição sobre a abertura de novas escolas médicas, muitas com mensalidades que ultrapassam R$ 10 mil e com precárias condições de ensino. A má qualidade dos cursos influencia diretamente o atendimento à população e causa inúmeras distorções, que tanto prejudicam a população, especialmente as mais carentes e dependentes do SUS. E é pela crença incontestável em um Sistema Universal e equânime de Saúde que o Cremesp vem a público manifestar seu repúdio em relação às declarações prestadas, que causam extremo desconforto em todos aqueles que lutam diariamente pelo exercício digno da atividade médica.

    Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo

    São Paulo, 31 de agosto de 2018


    Veja os comentários desta matéria


    Ao respaldar o Programa Mais Médicos (PMM), Gonzalo Vecina retrata a realidade de um programa que é um dos pilares atuais de sustentação da Atenção Básica no Brasil. O PMM não pretendia levar médicos aos rincões mais distantes: levou! Ante a penúria real de grande parte dos municípios brasileiros, o governo federal assumiu o protagonismo e bancou o recrutamento, seleção e alocação de médicos exclusivamente para a Atenção Básica. Gente que raramente havia visto um médico, passou a tê-los diariamente. O PMM também engloba as contrapartidas dos municípios, obrigados por contrato a investir em UBS, Estratégia Saúde da Família e informatização da rede. O PMM adquiriu status de tamanha importância que nem um governo de compromisso duvidoso com a saúde pública como o atual ousou suprimi-lo. Parabenizo o respaldo público ao PMM de Gonzalo Vecina, atitude rara em médicos de elite.
    José Marcos Thalenberg
    Já tive oportunidades de assistir exposições do médico Dr. Vecina, onde sempre demonstrou seus conhecimentos sobre saúde pública, porém, entendo que nessas declarações está implícita uma posição político partidária e infelizmente, pouca preocupação com as condições atuais do exercício médico e demais profissionais necessários, para as ações de saúde pública. Por ser um profissional formador de opinião deveria se ater a avaliar as condições do atendimento aos usuários do sistema público.
    eliana kohatsu
    Um médico que se tornou político e deixou de lado seu Esculápio
    CONSTANTINO ABEL RODRIGUES

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 1772 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    Delegacia da Vila Mariana:
    Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
    Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2018 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 166 usuários on-line - 1772
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior