Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 22-11-2017
    Bioética
    Cremesp abre inscrições para programas de bolsas a Estudantes e a Médicos Residentes
  • 22-11-2017
    Ribeirão Preto
    Simpósio de Direito Médico abordará dilemas da cirurgia plástica no último módulo
  • 21-11-2017
    Ensino de qualidade
    Cremego anuncia exame para recém-formados
  • 21-11-2017
    Posicionamento
    SBH se posiciona contra diretrizes do American College of Cardiology para hipertensão arterial
  • Notícias


    13-07-2017

    Nota Pública

    Presidente do Cremesp repudia fala de Ministro da Saúde; confira a nota na íntegra

    O presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), Lavínio Camarim, repudiou as declarações do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, sobre os médicos que trabalham no Sistema Único de Saúde (SUS) e subscreve a nota abaixo do Conselho Federal de Medicina (CFM). 

    “Surpreende a tratativa do Ministro da Saúde para com a classe médica ao afirmar que os médicos fingem trabalhar. Eu gostaria que as instituições é que parassem de fingir que pagam aos médicos. Tenho andado pelo interior do Estado de São Paulo onde o profissional tem tido a tolerância de ficar até quatro meses sem remuneração. 

    Enquanto representante da sociedade brasileira e dos médicos de São Paulo considero inaceitável que o governo transfira para a classe médica a responsabilidade de um mau atendimento à população.

    O momento é de união. O país passa por um período caótico e não precisa de instituições brigando entre si, pois seguramente a sociedade será a parte mais atingida.”

    Lavínio Nilton Camarim
    Presidente do Cremesp

     

    NOTA AOS MÉDICOS E À SOCIEDADE
    A VERDADE SOBRE O TRABALHO DO MÉDICO E A GESTÃO DO SUS

     
    Diante da necessidade premente de união de esforços em torno da superação dos inúmeros problemas que afetam o Sistema Único de Saúde (SUS), são completamente inadequados os comentários pejorativos feitos por autoridades que se mostram desconectadas da realidade a respeito do trabalho dos profissionais da saúde, em especial dos médicos, bem como da própria dinâmica de funcionamento do SUS.
     
    Frequentemente pacientes, médicos e demais profissionais da saúde são constrangidos por comentários feitos por gestores, inclusive do ministro Ricardo Barros, que distorcem as dificuldades enfrentadas pelo SUS, como ocorreu nesta quinta-feira (13), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF).
      
    Na incapacidade de responder aos anseios da população, transferem para as categorias da área da saúde, sobretudo para os médicos, a culpa pela grave crise que afeta a rede pública. No entanto, polêmicas infundadas não eximem o Estado de suas responsabilidades ou afasta a compreensão da falta da indispensável atenção administrativa.
     
    Os brasileiros sabem disso. Pesquisa do Datafolha, realizada no fim do ano passado, comprovou que os médicos constituem a profissão que mais conta com credibilidade e confiança junto a população. Além disso, segundo os dados, a sociedade reconhece que a falta de estrutura de atendimento e a má gestão, entre outros fatores, impedem o pleno exercício da medicina, em favor dos pacientes e de seus familiares.
     
    Apenas o trabalho articulado de gestores e de todos os setores envolvidos com essa crise, o que inclui os médicos e os demais profissionais da área, assim como a sociedade em geral, ajudará a trazer as respostas esperadas pelos brasileiros, em especial os 150 milhões que dependem exclusivamente do SUS.
     
    O Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Médica Brasileira (AMB) reiteram seu compromisso com o SUS e conclamam a todos que comungam do mesmo ideal, inclusive os gestores – nas esferas municipal, estadual e federal - a somarem esforços evitando contendas ou divisões, as quais somente afastam o País da oferta de uma saúde pública de qualidade para todos. 
     
    Brasília, 13 de julho de 2017.
     
    CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA
    ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA


    Veja os comentários desta matéria


    Médicos e demais profissionais da saúde da rede pública merecem todo nosso respeito. São os verdadeiros herois deste país. Eu posso afirmar isso pois já presenciei o trabalho de médicos no Hospital da Vila Nhocune (certamente o Sr. ministro nem sabe que existe esta região de esquecidos) e fiquei emocionada ao ver a dedicação desses profissionais no atendimento aos pacientes num ambiente totalmente insalubre e sem nenhuma condição de trabalho. Infelizmente este grupo que hoje comanda a política nacional são cegos, e a grande maioria corrupta. Por favor Sr. Ministro poupe nossos ouvidos! Roces não mais enganam o povo!
    Lucia Costa
    Que representatividade tem esse governo para caluniar de modo genérico os profissionais de saúde? Um governo mergulhado em lama, responsável direto pela situação vivida nas áreas de habitação, saúde, educação e cultura! Queremos um país limpo, sim! Limpo de políticos profissionais corruptos, também de médicos, juízes, advogados etc. que compartilhem dessa canalhice! Felizmente, os perversos não são muitos, eles estão muitos em função da passividade social reinante até então... Felizmente, parece que as coisas estão mudando. Que médicos, professores e a população em geral passem a ter o merecido respeito! Que esses bandidos sejam banidos do convívio social.
    carlos alberto pessoa rosa
    Lamentável em meio a tantas dificuldades enfrentadas no SUS, este senhor diga uma asneira desta. Deveria olhar para sua consciência e ver que quem finge que trabalha eh ele. Aprovo a nota de repudio ao CREMESP e gostaria muito que o conselho fizesse algo para barrar a abertura de tantas faculdades de medicina que tem como único objetivo esbarrotar o mercado de médicos para desqualificar a profissão.
    Priscila
    PARABENS EU COMO TANTOS COLEGAS ESTAMOS INDIGNADOS COM A FALA DESSE SENHOR NO CARGO DE MINISTRO DA SAUDE SUGIRO QUE ESTE PROTESTO SEJA DIVULGADO COM A MAXIMA AMPLITUDE E ATÉ SER MATERIA PAGA PARA EVITAR CENSURA DA MIDIA(VIDE REDE GLOBO) MANDEI MEU PROTESTO PARA O CFM GRATO
    JOAO CARLOS PRADO DE OLIVEIRA
    Grata á resposta feita pelo nosso Presidente Dr Lavínio Camarim. Porem, ao meu ver este tipo de difamação á classe médica só terá fim qdo os Conselhos de Classe moverem uma ação judicial contra os difamadores, a resposta em nota pública, como tem sido feita elegantemente pelo CRM, infelizmente já não inibe esta prática comum que, detrai a reputação, desmoraliza publicamente e paralelamente torna o médico alvo de violência física, moral e psicológica.
    Erica

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 3047 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede - Frei Caneca: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - 01307-002

    Subsede - Vila Mariana: Rua Domingos de Moraes, 1810
    Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

    Sede - Consolação: Rua da Consolação, 753
    (Sem atendimento ao público)
    Centro - São Paulo/SP - 01301-910

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 5908-5600 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2017 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 177 usuários on-line - 3047
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior