Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 24-06-2024
    Evento
    Cremesp promove 1º Simpósio de Iniciação Científica para incentivo à pesquisa
  • 21-06-2024
    Vitória da Amdesp e da Ampetra
    Senatran revoga exigência de CNPJ para médicos e psicólogos credenciados junto ao órgão
  • 21-06-2024
    Fenol
    Cremesp ingressa na Justiça Federal e pede proibição da Anvisa para venda do produto a não médicos
  • 18-06-2024
    Araraquara
    Estudantes de Medicina da Uniara lotam auditório para assistir ao Conversa com o Cremesp
  • Notícias


    17-08-2016

    Gabriela Kasai

    A importância do ensino das habilidades comunicacionais


    A relação entre médico-paciente não ficou alheia à evolução do tempo e dos avanços biotecnológicos. O médico teve sua posição de semideus deslocada ao longo desse período e o panorama atual desse processo especial de interação humana determina que as relações travadas entre esses dois atores – médico-paciente - passem, necessariamente, para uma relação humanizada, fruto de um diálogo relacional mais eficaz e eficiente.

    Deste diálogo mais humanizado vê-se a importância de uma relação centrada no paciente e não apenas na doença que o aflige, pois a doença não pode ser compreendida como um fenômeno isolado, mas, sim, interligado com as diferentes dimensões que constituem a vida do indivíduo, bem como as dificuldades emocionais no encontro paciente-médico. Por isso, a reflexão acerca do vínculo de confiança é apontada como elemento essencial da relação médico-paciente.

    Nesse contexto, mudanças nos currículos dos cursos de Medicina podem trazer novas perspectivas para o ensino e desenvolvimento das habilidades em comunicação, com a formação de um médico mais capacitado para lidar com as questões humanísticas e sociais envolvidas nas consultas, bem como com a subjetividade do paciente. Este, por sua vez, é coconstrutor desse relacionamento. Disto depende a adesão e o sucesso do tratamento.

    A contemporaneidade traz novas demandas ao consultório médico, demandas essas muitas vezes que ecoam na saúde do paciente que carrega consigo históricos de violência, alcoolismo, problemas relacionados ao casamento, ao emprego, às dificuldades na vida escolar, entre outros, que exigem do profissional outras habilidades, que vão além dos conhecimentos estritamente biomédicos (SUCUPIRA, 2007).

    Nesse ponto, destacam-se alguns dos benefícios de uma relação médico-paciente mediada pelo ensino da comunicação desde o início da formação do egresso: relação marcada pela confiança, maior adesão ao tratamento, melhor entendimento pelos pacientes de seus problemas e a possível redução de conflitos ético-disciplinares e judiciais. Frisa-se, a comunicação é ferramenta fundamental para o estabelecimento e o sucesso da relação médico-paciente.

    Entretanto, frequentemente, verifica-se que a relação médico-paciente não tem sido considerada satisfatória e que a decisão de processar o médico, muitas vezes, é deflagrada pela comunicação inadequada desse profissional.

    Incontestável que a ciência dos direitos e deveres pelos médicos e pacientes é imprescindível para evitar conflitos no âmbito ético-disciplinar e judicial. Porém, indubitavelmente, em casos de ocorrência de algum problema na prestação do serviço, numa relação médico-paciente marcada pela confiança, as chances de ingresso com ação judicial ou ética diminuem.

    Com base na necessidade e possibilidade do ensino das habilidades de comunicação, duas universidades brasileiras - Faculdade de Medicina de Marília (FAMEMA) e Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), adotaram métodos de ensino distintos, trazidos de experiências obtidas de outros países, como a Holanda, país referência na elaboração dos consensos internacionais sobre habilidades de comunicação.

    Em termos de resultado, há relatos positivos de estudantes após a mudança curricular ocorrida na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), acrescendo-se a construção de uma relação de parceria entre professores e alunos, condições percebidas pelos estudantes como fundamentais para a melhoria do aprendizado na relação médico-paciente,  o que passa, prioritariamente, pelo preparo dos docentes para o ensino das habilidades de comunicação nas escolas médicas.

    Contudo, é fundamental não se pensar o ensino das habilidades de comunicação de forma isolada, apenas como técnicas a serem aplicadas, sem que se redirecione todo o processo de educação médica, com a finalidade de junto com as habilidades biomédicas, priorizar a formação humanitária e ética do profissional que terá, como missão precípua, cuidar do sofrimento humano.

    Assim, não é demais considerar que pode ser um grande privilégio para o médico quando a sua interioridade se converte em compaixão universalizada, na entrega ao sofrimento do ser humano. Quando a profissão médica se torna missão. O cuidado com o ser humano não é somente ciência, é também compaixão, intuição e sensibilidade, veiculadas no diálogo, fruto da relação empática gerada pela observação recíproca doente-médico.

     

     


    Gabriela Kasai é advogada, especialista em Direito Médico, Odontológico e da Saúde pelo Instituto Paulista de Estudos Bioéticos e Jurídicos-IPEBJ. Também é Coordenadora Jurídica no Instituto Paulista de Estudos Bioéticos e Jurídicos em Ribeirão Preto/SP, e membro da Comissão de Perícias Forenses da OAB - 12ª Subseção Ribeirão Preto/SP.

    Tags: relaçãomédico-pacientehumanizaçãoreflexãoconfiançarelacionamentotratamentopaciente.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 166 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 713 usuários on-line - 166
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.