Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 26-06-2019
    Legislação
    Prefeito veta participação de profissionais sem registro no Brasil no Mais Médicos Campineiro após manifestação do Cremesp
  • 25-06-2019
    Falsos tratamentos
    Justiça cancela cursos de dentista sobre hormônios esteroides atendendo a pedido do Cremesp
  • 25-06-2019
    Anuidade PJ
    Regularize eventuais pendências financeiras de PJ com possibilidade de parcelamento de débitos
  • 14-06-2019
    Obstetrícia
    Cremesp se opõe à vilanização da prática cirúrgica obstétrica consagrada pela ciência
  • Notícias


    29-08-2016

    Nota Pública

    Cremesp se manifesta contra a proposta do Ministério da Saúde sobre planos de saúde “acessíveis”


    O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) vem a público questionar a proposta do Ministério da Saúde sobre a mudança na legislação brasileira, visando à criação de planos populares com cobertura reduzida.

    Também defendemos a revogação da Portaria 1.482, de 04/08/2016, do Ministério da Saúde, que criou o Grupo de Trabalho para discutir a criação de um "Plano de Saúde Acessível". 

    Tal Grupo de Trabalho, integrado inicialmente apenas por representantes de empresas operadoras de planos de saúde e do governo, nem deve existir, independente de sua composição. Consideramos que a proposta de “planos acessíveis” é ilegal, não tem qualquer fundamento técnico e poderá trazer prejuízos a pacientes e médicos.


    Alertamos à sociedade e aos médicos sobre os riscos dessa proposta:
     

    • Temos o dever ético e moral de defender a sociedade de um projeto que visa “desonerar o SUS” à custa de onerar mais o cidadão que, com grandes sacrifícios, busca proteger a sua família.
    • Muitas especialidades médicas poderão ficar de fora dos “planos acessíveis”, limitando o âmbito de cuidados aos pacientes.
    • Nos “planos acessíveis”, muitos exames e procedimentos médicos tendem a ser excluídos, limitados ou glosados, acarretando conflitos que poderão afetar a relação médico-paciente.
    • O médico perderá sua autonomia para diagnóstico e tratamento, em clara afronta ao Código de Ética Médica, que afirma que “o médico não pode, em nenhuma circunstância ou sob nenhum pretexto, renunciar à sua liberdade profissional, nem permitir quaisquer restrições ou imposições que possam prejudicar a eficiência e a correção de seu trabalho”.
    • Os valores de honorários médicos tendem a ser mais rebaixados, pois “planos acessíveis” serão incompatíveis com honorários dignos e assistência de qualidade.
    • Devido à diminuição dos serviços contratados pelos usuários de “planos acessíveis”, os médicos terão que assinar outro tipo de contrato com as empresas de planos de saúde, diferente das regras de contratualização vigentes (RN/ANS-363/2014 – Art. 4º - Inciso I), que preveem como objeto do contrato o tipo de serviços médico-assistenciais prestados e os critérios de reajustes dos honorários.
    • Haverá, assim, retrocesso de mais de duas décadas, quando não existia a legislação dos planos de saúde, que passou a exigir cobertura de todas as doenças e existência do Rol de Procedimentos Médicos da ANS. É fundamental o desaparelhamento da Agência Nacional de Saúde Suplementar dos interesses privados e lesivos ao interesse público.


    Por fim, o Cremesp conclama as demais entidades médicas e da saúde coletiva, grupos de pacientes e de defesa do consumidor para que nos juntemos em um movimento que exija forte regulação da saúde suplementar e intensifique a defesa do SUS contra sua expropriação pelos planos de saúde, que frequentemente utilizam-se de sua estrutura e não lhe ressarcem os custos. Pela defesa do artigo 196 da Constituição Federal, que dispõe “a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”, bem como pela proteção da Lei 9.656/98, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde.

     

     

    Tags: planos de saúdeMinistério da Saúdeacessívelnota pública.

    Veja os comentários desta matéria


    Querer que planos de saúde atendam tudo e o melhor para todos, é ilusão de quem não conhece o negócio saúde, nem do Brasil, nem do mundo. A oferta da cobertura que se exige das operadores de saúde suplementar, é totalmente inviável, bastando apenas fazer algumas contas, simples, misturar as informações epidemiológicas de perfil populacional futuro, do incremento das novas tecnologias, dos custos dos insumos de medicamentos, das fraudes etc. Mas também não se deve pensar num produto popular onde as operadoras não tenham custos com os procedimentos de alto custo, ou de se cercear o trabalho médico (ninguém está dizendo que o médico não possa solicitar algum procedimento), mas sim de quem vai pagar a conta. Pensem: produto com oferta limitada a eventos de baixa/média complexidade. Operadora pagando uma espécie de stop loss para o SUS, para o alto custo. Dilui-se o risco, cai o preço da OPS, mais receita ao SUS, mais vocação dos serviços, mais controle, menos burocracia, simples assim.
    marcelo pio
    Uma pena a posição do CRM. Mistura ideologia com prática. A proposta do MS é excelente e pode impedir a falência do sistema de saúde suplementar no Brasil.
    VINICIUS RODRIGUES
    De um ministro que faz a afirmação que os homens procuram mais o SUS porque trabalham mais, o que mais podemos esperar? Só temos a lamentar. Mas temos de nos posicionar. Está certo o CREMESP...
    Jose Alcione Macedo Almeida
    Esse projeto visa somente um lado, o capitalismo. Pacientes e médicos são esquecidos... mais artimanhas. Chega, basta!
    José Carlos Machado Campos

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 2407 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    Delegacia da Vila Mariana:
    Rua Domingos de Moraes, 2187 - cj. 223 - Edifício Xangai
    Vila Mariana – São Paulo/SP - CEP 04035-000

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2019 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 321 usuários on-line - 2407
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior