Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 15-09-2021
    Evento online
    Cremesp debate “Teleconsulta e Segurança do Paciente”
  • 08-09-2021
    Dia do Médico
    Cremesp convida médicos a enviarem depoimentos com o tema “aprendizados da pandemia"
  • 02-09-2021
    Defesa do ato médico
    Cremesp discute riscos da invasão da Medicina por profissionais sem habilitação durante Fórum sobre Impactos e Complicações em Procedimentos Estéticos
  • 01-09-2021
    Ética
    Cremesp conquista selo de participante do Programa Nacional de Prevenção à Corrupção
  • Notícias


    01-06-2016

    Planos & operadoras

    Médicos declaram estado de alerta por remuneração justa na saúde suplementar


    João Ladislau (ao microfone): presença atuante do Cremesp nas reuniões
    sobre abusos das operadoras de saúde na contratualização
    dos médicos

     

    Em reunião no dia 30 de maio, na sede da Associação Paulista de Medicina (APM), durante a Comissão Estadual de Saúde Suplementar, médicos de todo o Estado alertam por remuneração mais justa na saúde suplementar e dizem não às cláusulas abusivas contra os profissionais de Medicina.

    Devido às cláusulas dos contratos sugeridos por alguns planos de saúde - que aviltam profissionais de Medicina e colocam em risco a qualidade da assistência aos cidadãos -, os médicos sinalizaram um movimento de protesto, entrando em estado de alerta.  Conforme debatido no encontro, caso as empresas não apresentem propostas dignas de apreciação em até 30 dias, exalta-se a possibilidade de manifestações públicas, denúncias à mídia dos nomes das operadoras e até de paralisação da classe médica.

    Participaram da mesa do encontro os conselheiros do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), João Ladislau Rosa e Silvia Helena Rondina Mateus. Ao término da reunião, também foram aprovadas por unanimidade denúncias dos abusos à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e ao Conselho Regional de Medicina de São Paulo.
     

    Médicos reunidos na sede da APM: não às cláusulas
    determinadas pelos seguros saúde

     

    AS CLÁUSULAS

    Durante a Comissão, houve a apresentação de vários contratos de operadoras e planos com cláusulas nocivas aos médicos/pacientes, e de acordo com um estudo feito pela Defesa Profissional da APM, é evidente o desrespeito das empresas a direitos básicos dos profissionais de Medicina.

    Diversos itens contratuais seguem na contramão do que prega a pauta de 2016, definida em assembleia pelos médicos, que além do reajuste linear de 20,54%, exige a não utilização do fator de qualidade como redutor de honorários, propõe a negociação entre entidades médicas e operadoras e a contratualização de acordo com a Lei 13.003/14.

    Além disso, há casos em que os planos inserem nos contratos condições em que o fator de qualidade funciona como redutor de índice de reajuste; outras cláusulas leoninas são usadas com o intuito de reduzir honorários. Existem também contratos baseados em fração de índice para o reajuste (por exemplo, 40% do INPC); cláusulas duvidosas, que tornam o contrato de difícil compreensão; e até um item que desobriga as empresas de reajuste se isso vier a prejudicar seu equilíbrio financeiro.

    Várias operadoras tentam forçar o médico a aceitar pacotes e deixam para o profissional o ônus de eventuais processos judiciais. Em todas essas situações, as operadoras envolvidas serão devidamente notificadas pela Comissão Estadual de Negociação, para que alterem as cláusulas incompatíveis.
     

    Fonte: APM
    Fotos: Osmar Bustos

    Tags: saúde suplementarreuniãooperadorascontratualizaçãotrabalho.

    Veja os comentários desta matéria


    Ao ler esta matéria, observando o histórico recente e a condição em que se encontra a Agência Reguladora, me pergunto: Qual poderia ser sua perspectiva diante da questão apresentada? Acredito que não compartilhe da mesma que a do elo mais fraco e vulnerável desta cadeia (a classe médica). Diante disso, chego a considerar temerário expor mais este ponto nevrálgico. Há quem recomende à classe procurar o CADE para buscar soluções mais efetivas (ou menos nefastas).
    Otavio

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 736 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2021 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 140 usuários on-line - 736
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior