Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 08-08-2022
    Novo programa de Educação
    Cremesp lança o projeto Medicina Baseada em Evidências
  • 05-08-2022
    Alerta aos médicos
    Secretaria de Saúde de Rio Preto confirma três casos de varíola dos macacos  
  • 02-08-2022
    Vigilância epidemiológica
    Comunicar doenças de notificação obrigatória é dever dos médicos
  • 01-08-2022
    Eventos
    Presença do Cremesp aproxima duas gerações de médicos da região de Presidente Prudente
  • Notícias


    03-02-2016

    DSTs

    CFM recomenda aos médicos solicitar exames de HIV, sífilis e hepatite a seus pacientes

     

    O médico deve orientar seus pacientes para que façam exames de diagnóstico de HIV, sífilis e hepatite dos tipos B e C. O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou a Recomendação nº 2/2016, no dia 21 de janeiro de 2016, em reunião plenária.

    Essas doenças, com sérios potenciais de complicações e graves consequências, requerem tratamento adequado imediato. Além disso, com a mesma velocidade que a doença se fortalece no corpo do portador, ele pode transmitir para terceiros. “No Brasil, cerca de 25% dos casos de HIV são diagnosticados quando o paciente já apresenta contagem de linfócitos CD-4 abaixo de 200 células por mm3, o que significa estado avançado de imunossupressão”, relata o infectologista Dirceu Grego, membro da Câmara Técnica de Bioética do CFM, que propôs a recomendação.

     

    Aumento dos casos

    De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, foram registrados 7.137 casos de HIV, 31.997 casos de sífilis, 3.167 casos de hepatite B e 4.386 casos de hepatite C em 2014, no âmbito estadual. “Vários fatores podem estar contribuindo para o aumento, principalmente a diminuição dos alertas e da divulgação”, relata o infectologista Marcos Boulos, diretor de comunicação do Cremesp. 

    Em 2014, a estimativa era de que 781 mil pessoas viviam com o HIV no País. Dessas, 83% (649 mil) haviam sido diagnosticadas, das quais 80% começaram o tratamento e 66% continuaram. Estima-se que cerca de 150 mil pessoas no Brasil vivem com HIV/Aids e não sabem.

     

    Tabu

    Para o infectologista Caio Rosenthal, também conselheiro do Cremesp, há barreiras na relação médico-paciente quando o assunto são as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). “Temos de mudar alguns conceitos, nos adaptar à nova realidade, buscar maior abertura com os pacientes e nos conscientizarmos, médicos e pacientes, da importância dessas questões que envolvem confiança e intimidade necessárias para garantir um perfeito atendimento”, analisa.

    A Recomendação nº 2/2016, é dirigida a todos os médicos. “Essa recomendação visa facilitar a abordagem do médico para o tema importante das infecções sexualmente transmissíveis, introduzindo-o durante a consulta. Caso os testes ou a vacinação não tenham sido realizados, o médico orientará o paciente, conforme o caso, sobre a necessidade, oportunidade ou conveniência de sua execução”, explicou Greco.

    Tags: doenças sexualmente transmissíveisDSTssífilishepatiteHIV.

    Este conteúdo teve 397 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2022 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 121 usuários on-line - 397
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.