Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 25-06-2024
    Resolução-RE Nº 2384 Anvisa
    Cremesp ingressa com nova ação judicial para que apenas médicos comprem e utilizem fenol
  • 25-06-2024
    Nota de pesar
    Cremesp lamenta o falecimento do psiquiatra e ex-conselheiro Antonio Carlos Cesarino
  • 24-06-2024
    Evento
    Cremesp promove 1º Simpósio de Iniciação Científica para incentivo à pesquisa
  • 21-06-2024
    Vitória da Amdesp e da Ampetra
    Senatran revoga exigência de CNPJ para médicos e psicólogos credenciados junto ao órgão
  • Notícias


    04-10-2015

    Bráulio Luna Filho

    A defesa da cidadania


    “Desde a criação do SUS, nos anos 80, governos de diferentes matizes se sucederam sem enfrentar a relação entre corrupção e falta de qualidade dos serviços públicos”



    O Brasil vive dias conturbados. Enfrentamos as dificuldades econômicas do mundo globalizado, aliadas às intempéries de uma agenda política que nunca foi capaz de enfrentar o problema da excessiva desigualdade social do nosso povo. No entanto, há setores sociais e políticos que, conscientes e deliberadamente, concorrem para que, o que está ruim, fique ainda pior. A história está cheia de exemplos de que a saída menos traumática para os conflitos passa pela preservação da democracia.

    Nada mais horroroso, mas infelizmente ainda hodierno, que a corrupção. Endêmica no mundo e no Brasil, serve de pano de fundo para tentativas de manipulação da opinião pública, principalmente em momentos conflituosos. A corrupção não é apanágio de nenhum país, povo ou partido político, viceja em todos os sistemas sociais e políticos. O que a faz mais ou menos exuberante são os mecanismos de combate. Nas sociedades modernas isso implica desde o desenvolvimento de uma cultura de honestidade e transparência, à criação de leis que incriminem e punam duramente os envolvidos.

    Na história recente do Brasil, os corruptores nunca foram denunciados. Quando denunciados, nunca atingidos e, quando atingidos, sempre foram contemplados com penas irrisórias. No atual cenário, temos oportunidade de mudar essa trajetória, mas dentro da democracia, com a criação de leis severas que punam, exemplarmente, os culpados. A campanha do Ministério Público Federal por um conjunto de medidas que apontam nessa direção é um sopro de alento na construção de uma sociedade mais justa e democrática.

    Sabemos das dificuldades dessa empreitada, porquanto a corrupção está incrustada não apenas nas estruturas de governo – municipal, estadual e federal – como também em todos os partidos políticos e empresas privadas. Mas não podemos ser ingênuos e aceitar o jogo daqueles que apontam sempre para um único culpado. Pesquisa realizada pelo Ibope, em 2004, já detectava a disseminação de uma cultura de leniência à corrupção na sociedade brasileira. Cerca de 76% dos entrevistados afirmaram que cometeriam atos corruptos se tivessem oportunidade, e 35% responderam que empregariam familiares se ocupassem cargo políticos!

    Nesse diapasão, é desnecessário destacar a relação entre corrupção e falta de qualidade dos serviços públicos, inclusive de Saúde. Desde a criação do SUS, nos anos 80, governos de diferentes matizes se sucederam sem enfrentar esse problema. O caos só fez aumentar, até chegarmos às mazelas atuais: hospitais sucateados, filas de meses para atendimentos e recursos humanos desvalorizados, entre outras.

    Em reportagem especial da edição 329 do Jornal do Cremesp, apresentamos a extensão e os desdobramentos inevitáveis da carência de financiamento no SUS. Antes de tudo, fica o alerta: vamos defender os recursos da saúde e buscar ampliá-los com responsabilidade e compromisso social! 

     

    Bráulio Luna Filho é presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo

     

     

    Tags: cidadaniaeditorialJornal do CremespcorrupçãoSUSCPMF.

    ESTA MATÉRIA AINDA NÃO FOI COMENTADA:

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 195 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 775 usuários on-line - 195
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.