Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 16-09-2020
    Covid-19 na Pediatria e retorno às aulas
    Volta às aulas sob o olhar da Pediatria é tema de debate promovido pelo Cremesp em parceria com a SPSP
  • 14-09-2020
    Comunicado
    Nova eleição das Comissões de Ética Médica
  • 11-09-2020
    Campanha
    #SetembroAmarelo do Cremesp promove conscientização sobre suicídio
  • 11-09-2020
    Evento
    Cremesp promove debate para falar sobre o papel dos médicos na legislação
  • Notícias


    11-06-2013

    Fiscalização em PSs

    Maioria dos médicos dos serviços vistoriados pelo Cremesp não está satisfeita com o local de trabalho


    Renato Françoso, Renato Azevedo e Braúlio Luna Filho
    apresentam resultados da inspeção em PSs

    A maioria dos médicos que atende nos prontos-socorros (PSs) paulistas não está satisfeita com a condição de trabalho na unidade onde atua. Esta foi uma das constatações da vistoria do Cremesp  em  71 prontos-socorros (PSs) do Estado de São Paulo, entre fevereiro e abril de 2013,  divulgado na última terça-feira, 4/06. Em boa parte dos prontos-socorros selecionados, que inclui os maiores de São Paulo e representa quase 10% do total de serviços urgência e emergência no Estado, as condições de trabalho são precárias. Falta de  materiais,  salas de emergência  inadequadas  e dificuldades para encaminhar casos para  serviços que atendam maior  complexidade foram alguns dos problemas apurados, e que colocam em risco a vida pacientes e o trabalho de médicos.

    O levantamento, que vistoriou  23 PSs da Capital e 48 do Interior, Litoral e Grande São Paulo, priorizou a avaliação das condições de trabalho dos médicos e de atendimento dos pacientes. Em cada unidade, os profissionais que estavam em serviço no momento da visita foram convidados a responder um questionário de Avaliação da Condição do Médico. O preenchimento era voluntário e anônimo. No total, 109 entrevistas foram realizadas.

    “Constatamos o que a população e os médicos vivem na pele. Os prontos-socorros agonizam, os médicos estão insatisfeitos e os usuários têm sua saúde e vida ameaçadas. Com uma atenção primária insuficiente para atender às demandas, mais pacientes procuram os prontos-socorros que, por sua vez precisariam de equipes mais bem preparadas e equipadas para atender principalmente à grande demanda de causas externas, de acidentes de trânsito e violências, que só cresce no Estado de São Paulo”, diz Renato Azevedo Júnior, presidente do Cremesp.

    “Trata-se de uma inversão de prioridades. Quando não se investe na atenção primária, nas UBSs e no programa Saúde da Família; e enquanto permanece o gargalo da falta de retaguarda dos atendimentos especializados, sobrecarrega-se o serviço de urgência e emergência. É para lá que a população vai correr, porque sabe que, mesmo em condições precárias, pode encontrar algum atendimento resolutivo”, afirmou Azevedo.

    Entre os médicos que responderam o questionário, 63,9% são homens. Cerca de 35% têm 45 anos ou mais de idade. No universo analisado, 44,8% estão no local há menos de três anos. Cerca de 70% deles têm dois ou três empregos e um quinto do grupo faz mais de 48 horas semanais de plantão. Mais de 40% não fizeram curso de capacitação em urgência e emergência nos últimos dois anos.

    Equipes médicas incompletas

    Dos 71 prontos-socorros inspecionados, 41 estavam com a equipe médica de
    plantão incompleta, o equivalente a 57,7%. Outros 42,3%, ou 30 unidades do total,
    tinham o plantão preenchido nas 24 horas.

    Resolução CFM nº 1451, de 1995, estabelece que a equipe mínima de um
    pronto-socorro deve contar com profissionais das áreas de Anestesiologia, Clínica
    Médica, Pediatria, Cirurgia Geral e Ortopedia. A presença da especialidade de Ginecologia e Obstetrícia também foi considerada nessa pesquisa. Vale lembrar que, além da equipe mínima estabelecida por resolução, o plantão de cada PS é definido pelo órgão gestor, de acordo com seu porte e características, como demanda, área de abrangência e especialidades de referência.

    A ausência de profissionais não se refere a eventuais faltas no dia da vistoria,
    mas sim ao quadro de médicos – preenchido ou não – do plantão em questão.
    Quase todos os diretores ouvidos atribuíram a falta de profissionais a dificuldades
    de contratação. Entre elas, a mais citada foi o “nível salarial não atrativo”,
    observado por 74,5% dos diretores de unidade, seguido pelo excesso de demanda
    (citado por 46,2%), pela equipe médica insuficiente (29,4%), além de “dificuldade de acesso” (13,6%) e “local inseguro” (11,5%).

     


     

    Serviços vistoriados

    Do total de serviços inspecionados, 30 deles (42,2%) são públicos municipais,
    administrados por prefeituras; 22 (ou 31,0%) são filantrópicos, geralmente Santas
    Casas; 16 deles (ou 22,5%) são de natureza pública estadual, administrados pelo
    governo estadual; e três (4,3%) são serviços privados contratados, conveniados ao
    SUS. No conjunto, 57 deles (ou 80,3%) estão sob administração direta do município, Estado ou instituição filantrópica. Os outros 19,7% – 14 deles, no total – são geridos por Organizações Sociais (OSs), por meio de contrato de gestão do governo estadual ou municipal com a organização.

    Os resultados das vistorias foram apresentados em coletiva à imprensa pelo presidente do Cremesp, Renato Azevedo Júnior; junto com o primeiro-secretário, Bráulio Luna Filho e conselheiro Renato Françoso (que também é representante de São Paulo no Conselho Federal de Medicina).

     

    Veja também:

    Fiscalização do Cremesp aponta que na maioria dos prontos-socorros públicos paulistas a população é mal atendida e não há condições de trabalho

    Pacientes em macas nos corredores de PSs são destaques da mídia entre problemas apurados pelo Cremesp

     

    Acesse a íntegra do levantamento AQUI.

     

    Tags: FiscalizaçãoCremespprontossocorrosestadosãopauloriscopopulação.

    Veja os comentários desta matéria


    Sobre essa questão da má qualidade no atendimento à saúde, em urgência e emergência, pode-se questionar se os Conselhos Municipais de Saúde estão exercendo de fato o seu papel no controle social...
    Jose Vicente Berenguel

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 379 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 346 usuários on-line - 379
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior