Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 16-09-2020
    Covid-19 na Pediatria e retorno às aulas
    Volta às aulas sob o olhar da Pediatria é tema de debate promovido pelo Cremesp em parceria com a SPSP
  • 14-09-2020
    Comunicado
    Nova eleição das Comissões de Ética Médica
  • 11-09-2020
    Campanha
    #SetembroAmarelo do Cremesp promove conscientização sobre suicídio
  • 11-09-2020
    Evento
    Cremesp promove debate para falar sobre o papel dos médicos na legislação
  • Notícias


    17-06-2013

    Prontos-socorros

    Na maioria dos PSs públicos paulistas população é mal atendida e não há condições de trabalho, aponta Cremesp



    Azevedo: "Ficamos perplexos com a maneira como os pacientes são tratados"


    Fiscalização realizada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) em 71 grandes prontos-socorros (PSs) que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado – 23 na Capital e 48 no Interior – aponta falhas graves nos serviços de urgência e emergência, que colocam em risco a saúde da população e não oferecem aos médicos condições adequadas de trabalho. Esse preocupante cenário do sistema de urgências e emergências paulista foi apresentado pelo Cremesp à sociedade, em coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça-feira (4/06).

    “Ficamos perplexos com a maneira como os pacientes são tratados e responsabilizamos os secretários municipais, estaduais e o Ministério da Saúde pela falta de financiamento adequado e pela má gestão do sistema de saúde. Ao mesmo tempo, nos solidarizamos com os diretores clínicos e médicos, porque todos sofrem as conseqüências desse estado de coisas, que acaba se tornando uma afronta aos direitos humanos”, afirmou o presidente do Cremesp, Renato Azevedo na abertura do encontro.

    Macas nos corredores, equipes médicas incompletas, falta de materiais básicos e dificuldade de transferir pacientes, foram os principais problemas constatados pela   fiscalização do Cremesp nos 71 prontos-socorros, realizada entre  fevereiro e abril de 2013.

    Principais problemas: macas nos corredores, equipes médicas incompletas, falta de materiais básicos e dificuldade para transferir pacientes


    Principais números do levantamento em 71 PSs

    ➜ 57,7% dos PSs têm macas com pacientes nos corredores
    ➜ 66,2% dos PSs relatam dificuldade de encaminhar pacientes para outros serviços de referência
    ➜ 57,7% dos serviços vistoriados estão com equipes médicas incompletas
    ➜ 28,2% das salas de emergência estão inadequadas
    ➜ Em 59,2% das salas de emergência falta algum tipo de material
    ➜ Em 46,5% dos serviços não há chefia de plantão nem médico diarista
    ➜ Em 32,4% dos PSs não é feita a triagem com classificação de risco
    ➜ Em 6,1% dos PSs não existem UTIs, nem no local nem em outro serviço referenciado.


    Campanha “Prontos-socorros em agonia. Até quando?”

    Diante da situação  encontrada, o Cremesp lançou a campanha Prontos-socorros em agonia. Até quando?, exigindo providências do Ministério da Saúde e das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde.

    De acordo com  Azevedo, o Conselho cumpriu sua função de órgão fiscalizador e os resultados serão agora encaminhados ao Ministério da Saúde, à Secretaria de Estado da Saúde e às secretarias municipais das cidades que fizeram parte da pesquisa”. “Cabe agora às autoridades competentes encontrar solução para os problemas que estamos apontando”, disse.

    Françoso: é preciso chamar a atenção das autoridades para o grave problema

    O conselheiro Renato Françoso afirmou que é preciso chamar a atenção das autoridades para esse grave problema de saúde pública. Para o diretor 1º secretário, Bráulio Luna Filho, “o sistema de saúde não funciona, os serviços secundários e terciários encontram grandes dificuldades para encaminhar pacientes a hospitais de referência, restando poucas alternativas de atendimento à população. “Sem um sistema de saúde adequado de prevenção, tudo vira urgência e emergência, e o atendimento acaba se dando nessas unidades, que colocam em risco quem é atendido e quem nela trabalha”.

     

    Luna: "Sem um sistema adequado de prevenção, tudo vira urgência e emergência"

    Parcerias para fiscalizações  

    Renato Azevedo também falou sobre os resultados da fiscalização em São Paulo em encontro que reuniu presidentes dos CRMs de todo o país, a diretoria do CFM, procuradores e representantes do Ministério Público Federal (MPF), dia 5/06, em Brasília. Durante a reunião, foi firmada uma parceira com o MPF para fiscalizar serviços médico-assistenciais, especialmente na rede pública em todo o país. O acordo será operacionalizado por meio dos CRMs  e da Procuradoria Geral da República nos estados, que poderão fazer visitas conjuntas, análise dos resultados de relatórios e criar mecanismos para a tramitação dos documentos. Irregularidades encontradas poderão gerar denúncias e abertura de processos ético-profissionais nos conselhos ou em outras esferas por irresponsabilidade na gestão dos serviços.


    Acesse a íntegra do levantamento AQUI.    

     

    Veja também: 

    Maioria dos médicos dos serviços vistoriados pelo Cremesp não está satisfeita com o local de trabalho

    Pacientes em macas nos corredores de PSs são destaques da mídia entre problemas apurados pelo Cremesp


    Com informações de:  Cremesp (Aglaé Silvestre) e CFM
    Fotos: Osmar Bustos 

    Tags: prontossocorrosfiscalizaçãolevantamentomédicospacientesatendimentotrabalho.

    Veja os comentários desta matéria


    Vergonhosamente vemos esse resultado apurado sobre quem deveria estar tratando da saúde da população. Ocorrência no momento em que o vice-presidente norte-americano, esteve em visita ao Brasil e disse: "O Brasil já pode dizer e se considerar um país de primeiro mundo!" A realidade entristece a todos; o que vemos são políticos envolvidos em escândalos de desvios de recursos dos cofres públicos e a população morrendo à própria sorte. Isso é uma vergonha.
    Jânio Pires

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 388 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 368 usuários on-line - 388
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior