Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 03-07-2020
    Nota de pesar
    Missa de 7º dia do médico Clovis Saverio de Luca será no dia 4 de julho, na capital paulista
  • 02-07-2020
    5Minute Consult
    Médicos de São Paulo terão acesso à plataforma de Medicina baseada em evidências
  • 02-07-2020
    Anuidade 2020
    Pessoas físicas podem efetuar pagamento integral ou parcelado em até 5 vezes com acréscimos legais
  • 30-06-2020
    Câmara dos Deputados
    Cremesp pede urgência na votação de PL que torna mais rígida pena por atos de violência contra médicos
  • Notícias


    27-09-2012

    Paralisação em SP

    Médicos paulistas suspendem atendimento a planos de saúde entre 10 e 18 de outubro

    Os médicos de São Paulo decidiram paralisar o atendimento eletivo aos planos de saúde de 10 a 18 de outubro como protesto contra práticas abusivas das empresas e a defasagem inaceitável dos procedimentos médicos.

    Em reunião na sede da Associação Paulista de Medicina (APM) em 17 de setembro, as lideranças do movimento aprovaram a suspensão do atendimento ao grupo de operadoras que sequer aceitou negociar com a classe médica ou não enviou propostas concretas até o momento. São elas:
     
    1. Green Line
    2. Intermédica
    3. Itálica
    4. Metrópole
    5. Notredame
    6. Prevent Sênior
    7. Santa Amália
    8. São Cristóvão
    9. Seisa
    10. Trasmontano
    11. Universal 
     
    Um novo grupo será anunciado até a data da paralisação. Enquanto isso, a comissão de negociação continua à disposição das empresas para receber propostas. O diretor de Comunicação do Cremesp, João Ladislau Rosa –  que participa das reuniões das lideranças do movimento em SP –  informou que as operadoras e seguradoras  que não apresentarem propostas adequadas à categoria nos próximos dias serão incluídas neste segundo grupo.
     
    O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), a APM, os Sindicatos dos Médicos, a Academia de Medicina de São Paulo e as Sociedades de Especialidade iniciam agora um grande trabalho de mobilização da classe no sentido de organizar os médicos para os protestos agendados.
     
    A pauta de reivindicações do movimento médico paulista inclui consultas a R$ 80, atualização dos valores dos procedimentos conforme a CBHPM (Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos) e inserção nos contratos de critério de reajuste a cada 12 meses, além de autonomia profissional para prescrição de exames e procedimentos.

    O movimento médico conta ainda com o apoio da sociedade, no que diz respeito à assistência oferecida pelas operadoras de planos de saúde e à interferência na autonomia profissional. Estudo da Associação Paulista de Medicina (APM) realizado pelo Instituto Datafolha, mostra que 77% dos usuários de planos de saúde no Estado de São Paulo enfrentaram problemas no atendimento, como superlotação e longas esperas nos hospitais. O estado concentra hoje o maior número de beneficiários de planos de saúde do país, com um universo de 10 milhões de pacientes da saúde suplementar.

    Sobre os médicos e prestadores de serviço, a percepção de 66% dos usuários é de que os planos colocam restrições em diversas etapas para realização de exames de maior custo e, para (53%), de que os planos restringem o tempo de internação hospitalar ou UTI. Mais de 60% dos usuários ainda afirmam ter a imagem de que os planos de saúde pagam aos médicos um valor muito baixo por consulta ou procedimento.

    Fontes: Cremesp/APM/CFM

     Veja também:

    Protesto Nacional 
    Contra abusos praticados por planos de saúde, médicos de todo país farão mobilizações entre 10 e 25 de outubro
     

    Honorário médico
    Porto Seguro aceita negociar e diz estar propensa a adotar fórmula proposta por entidades médicas


    Tags: operadoras de saúdeplanosparalisaçãomovimentohonoráriosCBHPM.

    Veja os comentários desta matéria


    Quero cumprimentar o CREMESP e as entidades de Classe nessa luta justa mas tardia em defesa dos Médicos. Se o Ato Médico já tivesse sido aprovado não ficaria mais fácil o reconhecimento das nossas revindicações? O que a ANS fez até hoje para o elo mais fraco do triângulo : Empresário, Paciente e MÉDICO? Somos sempre ignorados ou esquecidos!... Como ficará o atendimento dos pacientes das Operadoras que NÃO aceitarem nossas justas revindicações?
    João Baptista do Amaral Moura

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 322 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 349 usuários on-line - 322
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior