Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 21-10-2014
    Atualização médica
    Webconferência sobre Neurologia de Urgência para médicos generalistas será transmitida nesta quarta às 20h
  • 21-10-2014
    Justificativa
    Médico que não votou na eleição CFM deve justificar sua ausência até 26 de outubro e pode acessar o formulário aqui
  • 21-10-2014
    Serviço aos médicos
    Conselho inaugura novas salas da Delegacia Regional Metropolitana da Zona Sul
  • 21-10-2014
    Saúde suplementar
    Reunião divulga balanço das negociações com operadoras realizadas neste 2014
  • Notícias


    Enviar este link por e-mail
    10-09-2012

    Planos de saúde

    Após paralisação do atendimento por 24 horas em São Paulo, médicos podem fazer um protesto nacional de até 10 dias

     “Queremos trabalhar e atender nossos pacientes,  mas as operadoras de planos de saúde nos forçaram a essa suspensão”, diz presidente do Cremesp

    Um novo protesto dos médicos contra os baixos honorários e as pressões dos planos de saúde que colocam sob risco a vida dos pacientes deve ser deflagrado em nível nacional e poderá durar até 10 dias.  O indicativo de mobilização foi aprovado pelas entidades médicas durante reunião da Comissão Nacional de Saúde Suplementar (Comsu), que aconteceu em Brasília, em 31 de agosto e reuniu representantes dos   conselhos de medicina de todo o país, além da Associação Médica Brasileira (AMB),  Federação Nacional dos Médicos (Fenam), sindicatos e sociedades médicas. A mobilização nacional será marcada em breve e deve acontecer até o mês de novembro.

    O protesto nacional reforçará o movimento dos médicos em nível regional, como a paralisação do atendimento eletivo aos planos de saúde por 24 horas, ocorrida  em 6 de setembro, no Estado de São Paulo. O atendimento a urgências e emergências foi garantido e os organizadores do movimento recomendaram aos profissionais que também garantissem o atendimento também daqueles casos em que, mesmo não sendo emergência, o atraso pudesse acarretar prejuízo aos pacientes.

    A Associação Paulista de Medicina (APM) estima que cerca de 70% dos médicos que atendem convênios aderiram ao movimento no Estado neste 6/09. A paralisação paulista é um protesto contra as operadoras de planos de saúde que, após 34 reuniões e quase nove meses de diálogo, não chegaram a um acordo em relação às principais reivindicações dos profissionais  –  de atualização dos valores da consulta para, no mínimo,  R$ 80,  inclusão de cláusulas de reajustes periódicos nos contratos de prestação de serviços; e fim das pressões para reduzir exames, internações e antecipar altas, que colocam em risco a saúde dos pacientes. 

    “Nós, médicos, não gostaríamos de paralisar o atendimento. Queremos trabalhar e atender nossos pacientes, mas as operadoras de planos de saúde nos forçaram a essa suspensão”, afirmou Renato Azevedo, presidente do Cremesp.  “As empresas vem aumentando sistematicamente as mensalidades dos usuários acima da inflação, sem, no entanto, reajustar os honorários médicos. Além disso, as operadoras de planos de saúde interferem de forma nociva na relação médico-paciente, visando reduzir custos. Saúde não é mercadoria”, completou Azevedo.

    Nova mobilização nacional
    Os representantes dos Estados definirão, em assembleia, o formato dasfuturas mobilizações. Para os líderes do movimento médico nacional, ainda falta muito para chegar ao equilíbrio na relação com os planos de saúde, apesar de alguns avanços nas negociações conjuntas. Embora pequenas, algumas conquistas foram obtidas após as últimas mobilizações da categoria que tiveram início em abril de 2011. 

    Fonte: Cremesp/Jornal do CFM – Agosto 2012   

    Leia também:

    Na véspera da suspensão do atendimento a planos de saúde, médicos fazem passeata na Capital paulista

    Em protesto contra baixos honorários e pressões, médicos paulistas suspendem o atendimento a operadoras de saúde neste 6/09

     


    Tags: Paralisaçãomédicosmovimentoregionalnacional24 horasSão Pauloplanossaúde.

    Veja os comentários desta matéria


    É inadmissível a conduta das Operadoras de Planos de saúde em face dos médicos. A ausência de fiscalização incisiva por parte da ANS equipara-se a ausência de fiscalização dos Sindicatos de qualquer Categoria Profissional no país, seja qual for a esfera. Essa ingerência na relação médico-paciente extrapola os limites da empatia pelo ser humano. Espera-se um mínimo de comiseração, mas pelo visto o dinheiro é maior que a Saúde Humana.
    Rodrigo

    Deixe o seu comentário

        Dê sua opinião sobre a matéria acima em até mil caracteres. Não serão publicados  textos ofensivos a pessoas ou instituições, que configurem crime, apresentem conteúdo obsceno, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou sugiram links, entre outros.  Os textos serão submetidos à aprovação antes da publicação, respeitando-se a jornada de trabalho da comissão de avaliação (horário de funcionamento do Cremesp, de segunda à sexta-feira, das 9 às 18 horas). O Cremesp reserva-se o direito de editar os comentários para correção ortográfica.  Os  usuários deste site estão sujeitos à política de uso do Portal do Cremesp e se comprometem a respeitar o seu Código de Conduta On-line.

    De acordo.


    Este conteúdo teve 89 acessos.

    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua da Consolação, 753
    Centro - São Paulo/SP - 01301-910

    Sub-sede: Rua Domingos de Moraes, 1810
    Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 5908-5600 das 8h às 20h

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE
    Consolação e Vila Mariana - das 9h às 18h

     

     

     

    Rede dos conselhos de medicina:
    © 2001-2014 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 207 usuários on-line - 89