Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 08-07-2020
    Aula online
    Prevenção das Lesões Cutâneas pelo uso de EPIs e Manifestações Dermatológicas na Covid-19
  • 08-07-2020
    Vistoria
    Em nova fiscalização, Cremesp aponta irregularidades no Hospital de Campanha de Guarulhos
  • 07-07-2020
    Serviços
    Diretores técnicos já podem fazer cadastramento do corpo clínico diretamente no site do Cremesp
  • 03-07-2020
    Nota de pesar
    Missa de 7º dia do médico Clovis Saverio de Luca será no dia 4 de julho, na capital paulista
  • Notícias


    12-06-2020

    Fiscalização

    Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo encontra irregularidades no Hospital de Campanha do Anhembi

    No último dia 21 de maio, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) esteve no Hospital de Campanha Anhembi (IABAS) para uma fiscalização das condições de funcionamento e identificou uma série de irregularidades, que comprometem o trabalho dos profissionais da saúde que atuam no local e colocam em risco a vida dos pacientes encaminhados para a unidade em questão.

    O Hospital de Campanha Anhembi IABAS tem capacidade total para 1412 leitos sendo que se encontravam efetivamente em operação 512 leitos na data da vistoria, quando verificou-se que a unidade estava com 47,4% de sua capacidade ocupada, sendo 49,5% dos leitos de enfermaria e 27,1% dos leitos de estabilização (aguardando transferência para UTI). Neste dia, o Hospital de Campanha do Anhembi - IABAS tinha, até então, registrado 10 óbitos.

    Entre as não conformidades encontradas estão:

    Áreas com alto risco de contaminação
    - ambiente de internação não climatizado, sob ação da temperatura ambiente externa;
    - locais para alimentação, vestiário e repouso médico estão localizados dentro de áreas
    contaminadas, colocando em risco os profissionais que utilizam esses locais.

    Área de estabilização não está bem equipada
    - foram projetados 48 leitos para estabilizar pacientes mais graves, em espera para serem transferidos para UTI, porém, no local, foram identificados apenas 17 ventiladores para atender todo o hospital, contrariando as normas para leitos de estabilização;
    - não foi constatada a disponibilidade de um monitor e uma bomba de infusão para cada leito, também necessários para atender casos mais graves;
    - não há um carrinho para atendimento a casos de parada cardíaca para cada posto de
    enfermagem.

    Desrespeito a protocolos e normas técnicas
    - um tomógrafo funciona 24h por dia, sem limpeza do aparelho entre um paciente e outro, conforme informado pelos técnicos que operam o equipamento. O chão e as paredes da área de tomografia também não são limpos entre uma utilização e outra, contrariando as normas da ANVISA e oferecendo riscos de contaminação de casos confirmados para suspeitos;
    - Os testes PCR e teste rápido não são suficientes para atender a demanda, de acordo com profissionais ouvidos pelo Cremesp;
    - também de acordo com funcionários ouvidos pelo Conselho, por conta da dificuldade em obter os resultados dos testes coletados, muitas vezes, pacientes recebem alta sem o resultado do exame;
    - a limitação dos testes e da obtenção dos resultados, de acordo com os médicos ouvidos, também dificulta o isolamento correto dos pacientes internados, entre suspeitos e confirmados para Covid-19;
    - não foi possível verificar uma divisão entre funcionários por áreas, pois todos circulavam com os mesmos aventais favorecendo a contaminação cruzada;
    - falta de Protocolo de Classificação de Risco do Paciente, medida que determina o tempo que um paciente pode ou não esperar para ser atendido;
    - não foram encontradas evidências de registro no endereço eletrônico das internações de pacientes suspeitos ou confirmados, além do número de alta de pacientes e quantidade de leitos;
    - mesmo sendo proibido, evidenciou-se a presença de um acompanhante dentro da sala de admissão, com máscara de pano e roupa comum;
    - não foi relatado plano de contingência, em caso de incêndio, nem treinamento de brigadas e alvará do corpo de bombeiros.

    EPI e equipamentos médicos
    - funcionários do hospital usavam a mesma máscara N95 por 15 dias (contrariando às normas de uso, em que o máximo de tempo de uso permitido para este tipo de máscara são 7 dias) e levando-as para suas residências, o que contraria o protocolo do Ministério da Saúde;
    - leitos de enfermaria não têm todos os equipamentos individuais necessários, como
    oxímetros, ficando os equipamentos existentes em circulação para o atendimento aos
    pacientes. Durante a vistoria não ficou claro como é realizada a higienização destes
    equipamentos entre um atendimento e outro;
    - equipe de atendimento sem a troca correta dos EPIs, para deslocamento entre áreas,
    possibilitando a transmissão de pacientes confirmados para suspeitos, por meio dos
    profissionais.

    Sindicâncias
    Diante do resultado desta fiscalização, o Cremesp abriu sindicância para apurar a
    responsabilidade dos médicos responsáveis e, dada a urgência das providências necessárias, comunicou a Secretaria Municipal de Saúde e enviou ofício ao Ministério Público e à Anvisa.

    Ainda durante esta fiscalização foi constatado que funcionários que prestam serviço de
    ambulância estavam usando a mesma máscara N95 há mais de um mês e não tinham EPI adequados para transportar pacientes. As empresas responsáveis pelas ambulâncias e os funcionários identificados em tais condições também estão sendo investigadas pelo Conselho, por meio de sindicância.

    Para Irene Abramovich, médica e presidente do Cremesp, o que foi verificado nesta
    fiscalização é um hospital subequipado e em condições precárias de atendimento, pois existe orientação e protocolos acessíveis e bem claros a fim de garantir o atendimento seguro à população e médicos.

    “Ignorar as diretrizes de atendimento para unidades de saúde, principalmente no combate à pandemia de Covid-19, é muita irresponsabilidade e não contribui em nada para controlar a situação”, comenta.

    O Conselho tem realizado fiscalizações por todo o Estado e criou canais exclusivos, para
    receber denúncias e orientar médicos e profissionais de saúde, em relação à pandemia de Covid-19: 11 98286-3722 (whatsapp) e covid-19@cremesp.org.br (email). Além disso, desde o início da pandemia em São Paulo, o Cremesp tem promovido conteúdos técnicos online, disponíveis em seu canal no YouTube e mantém ainda o hotsite covid-19.cremesp.org.br, sempre atualizado com conteúdo e orientações aos médicos profissionais da saúde, sobre a Covid-19.
     


    Este conteúdo teve 149 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 255 usuários on-line - 149
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior