Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 24-03-2017
    Evento
    Presidente do Cremesp participa de Fórum Folha Saúde
  • 24-03-2017
    Plenária Aberta
    Cremesp realiza debate aberto sobre planos de saúde populares
  • 23-03-2017
    Remuneração
    Em uma semana, Cremesp recebe 13 denúncias com mais de 100 médicos 
  • 22-03-2017
    Alerta Ético
    Segunda Opinião Médica é um direito do paciente e faz parte de sua autonomia na relação médico-paciente
  • Notícias


    30-09-2011

    Plenária temática

    Médicos alertam para efeitos nocivos das administradoras de benefícios


    Renato Azevedo, ao lado de Paulo Conti e Silvia Mateus, durante a abertura do encontro

    A intermediação das administradoras de beneficios aumentam os gastos (em torno de 4%) dos contratantes de convênios e seguros de saúde. Além disso, aviltam a atuação de  planos como os da Unimed, que funcionam sob a lógica de trabalho direto para reduzir custos. Esses foram alguns dos muitos efeitos nocivos apontados durante a plenária temática Administradora de benefícios: a segunda intermediadora do trabalho médico, realizada na sede do Cremesp, na noite de 23/09.

    Os palestrantes Silvia Rondina Mateus, diretora tesoureira do Cremesp; e Paulo Conti, segundo vice-presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), alertaram para a necessidade de discutir o papel das administradoras como mais uma intermediária na relação médico-paciente; e os critérios estabelecidos para atuação dessas empresas - que podem oferecer planos coletivos para associações, entre outros grupos, e contratar serviços na condição de estipulantes de contratos.    

    A atuação das administradoras foi regulada, em 2009, pelas resoluções normativas (RNs) nºs  195 e 196 da Agência Nacional de Saúde. Conti destacou que essa modalidade de intermediação atua com muita força em São Paulo e fica com cerca de 5% a 7% dos valores de contrato.  "O mercado precisava dessas administradoras?", questionou. Segundo ele, os planos e seguros de saúde percebem essas empresas como invasoras de sua área de atuação. 

    Para Silvia Rondina  a colocação de mais  um intermediário na cadeia comercial, que fica com uma fatia do faturamento, afeta as partes mais frágeis do processo.  "Embora as RNs  tenham sido editadas em 2009,  não percebemos de imediato a repercussão sobre os honorários médicos", afirmou. " Proponho que as entidades médicas nacionais iniciem uma discussão em todo território nacional  para tomar uma posição contrária às duas normativas que regularam a atuação das administradoras de benefícios", completou  a tesoureira do Cremesp.   

    O evento foi aberto pelo presidente do Cremesp, Renato Azevedo Júnior, e contou com a participação de vários conselheiros e diretores da Casa.      


    Fotos: Osmar Bustos

    Tags: benefíciosadminsitradorasconvênios.

    Este conteúdo teve 1391 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede - Consolação: Rua da Consolação, 753
    Centro - São Paulo/SP - 01301-910

    Sede - Luís Coelho: Rua Luís Coelho, 26
    Consolação - São Paulo/SP - 01309-900

    Subsede - Vila Mariana: Rua Domingos de Moraes, 1810
    Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 5908-5600 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


    ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2017 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 104 usuários on-line - 1391
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior