Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 21-01-2021
    Anuidade PJ 2021
    Empresas médicas têm até o dia 31 de janeiro para pagamento integral ou parcelado
  • 20-01-2021
    Nota oficial
    Cremesp reforça que chefes e gestores não podem obrigar médicos a prescrever o chamado "Tratamento Precoce" para covid-19
  • 19-01-2021
    Cooperação
    Cremesp rediscute convênio com Ministério Público de SP para ações conjuntas
  • 18-01-2021
    Live
    Cremesp promove debate sobre a importância da vacinação contra covid-19
  • Notícias


    02-08-2011

    Saúde em 2021

    Fórum promovido pela SPDM analisa e discute a saúde na próxima década


    Palestrantes nacionais e internacionais avaliam perspectivas do acesso ao atendimento de qualidade na saúde

    Como estará a saúde no futuro? Esse é o tema central do Fórum Internacional da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), que está sendo realizado nesta terça e quarta-feira, dias 2 e 3 de agosto, no Hotel Sofitel, em São Paulo.

    O primeiro módulo de palestras do programa contou com a presença de Ezekiel Emanuel, médico bioeticista e assessor da Casa Branca, que discorreu sobre a reforma do sistema de saúde nos Estados Unidos. Otimista, ele revela: “tenho certeza que até 2020 o sistema de saúde americano estará muito melhor que hoje”.


    Ezekiel Emanuel: "É preciso garantir o acesso de pacientes com doenças crônicos ao seguro saúde"

    Ezekiel explicou que foram necessárias seis tentativas de reforma no seu país para que o sistema escolhido fosse aprovado. Segundo ele, o “sistema americano terá cobertura oficial e integral, utilizará prontuários eletrônicos e terá acesso a um número maior de informações para guiar a tomada de decisões no setor, reduzindo simultaneamente exames e tratamentos desnecessários, mas fortalecendo o envolvimento dos profissionais de saúde com os pacientes”.

    De acordo com o palestrante, a reforma do sistema de saúde americano pretende eliminar as rescisões, os limites para o atendimento (sobretudo de pessoas com doenças crônicas e idosos),  permitindo que os filhos utilizem o seguro público de saúde até completarem 26 anos. “A possibilidade de aquisição de um seguro saúde eficiente e eficaz é a principal lição que podemos extrair para o Brasil”, afirmou.

    Para o bioeticista, “todas as disposições tendem a controlar custos e podemos economizar centenas de milhões de dólares neste processo”, enfatizando a necessidade de se distribuir igualmente os gastos da saúde pela população. Outro aspecto desta reforma, segundo o palestrante, é considerá-la como um “bem público”, possibilitando que vários países aproveitem as informações e adequem os diversos parâmetros do sistema à sua realidade.

    "A ética não exige a utilização de tudo por todos, mas deve garantir que todos tenham acesso aos serviços essenciais de saúde. Esta questão será cada vez mais discutida até 2021", alertou Ezekiel. Segundo ele, a população brasileira vai solicitar cada vez mais por seus direitos (na atenção à saúde) e o país terá condições de garantir esses serviços, pois está enriquecendo. Por outro lado, o palestrante afirmou ser impossível listar o que precisa ser feito ou não, de imediato ou a longo prazo. "Podemos até mesmo apresentar uma lista de prioridades, mas ela não será definitiva, pois a cada ano novos itens são incluídos e outros excluídos", explicou.

    O módulo foi encerrado com a participação de importantes nomes como Henrique Meirelles, Celso Lafer e José Gomes Temporão, dando espaço às considerações finais e perguntas da plateia.

    A segunda palestra, proferida por Victor Dzau, Reitor para Assuntos de Saúde da Universidade Duke (Carolina do Norte - EUA), Presidente e CEO da Duke University Medical Center, abordou a relação entre escolas médicas e os sistemas de saúde.

    Para Dzau, é necessário haver uma transformação para a realização de pesquisas na área da saúde, com um redesenho importante dos cuidados com o paciente, considerando não apenas a saúde individual, mas também da comunidade como um todo. “É preciso acelerar as pesquisas básicas, estabelecendo foco e priorizando objetivos e resultados”, lembrou o palestrante. Além disso, na sua visão, o momento não representa somente um desafio, mas uma oportunidade para que representantes da área da Saúde exerçam sua liderança.


    Nacime Salomão Mansur, Adib Jatene e Rubens Belfort Jr.: iniciativa da SPDM para melhorar o acesso da população à saúde de qualidade

    Durante o final da manhã, o módulo de palestras também contou com a participação de outros especialistas, dentre eles, Paulo Skaf, que abordou Ética e eficiência a serviço das pessoas – SUS 2021,  e Maurício Ceschin, com a palestra sobre Perspectivas da ANS para 2021.

    Novas informações, com uma síntese das palestras programadas, serão divulgadas neste espaço no decorrer do evento.


    Colaborou: Lígia Neves
    Fotos: Osmar Bustos


    Este conteúdo teve 112 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2021 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 254 usuários on-line - 112
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior