Busca
Classificação de assuntos:

Pesquisa por palavra-chave:


Últimas Notícias
  • 20-07-2024
    Movimento do Ato Médico
    Cremesp vence ação civil promovida contra clínica farmacêutica que realizava procedimentos estéticos
  • 19-07-2024
    Evento
    Cremesp realiza entrega de carteiras e honrarias a médicos em São José do Rio Preto
  • 18-07-2024
    Defesa da população
    Cremesp oficia MP e Polícia Civil sobre anúncios divulgados nas redes sociais com atores que se passam por médicos para venda de medicamentos
  • 17-07-2024
    Evento inédito
    Cremesp realizará 1º Simpósio de Acupuntura, que discutirá as patologias tratadas pela especialidade e as novas perspectivas de tratamento
  • Notícias


    31-03-2006

    I Congresso do Cremesp: 31/03

    Acompanhe imagens e resumo das palestras no 2º dia do encontro



    Isac Jorge, entre Reinaldo Ayer de Oliveira e Jamil Murad


    O tema Reprodução Assistida deu início aos trabalhos na manhã deste segundo dia do evento. O conselheiro Reinaldo Ayer fez a abertura oficial, convidando para compor a mesa os palestrantes: deputado federal Jamil Murad (PC do B - SP), Rosângela Talib, Ayrton Roberto Pastore e Jefferson Drezett Ferreira.


    Da E p/a D: Jefferson Drezett, Reinaldo Ayer, Jamil Murad,
    Rosângela Talib e Ayrton Pastore

    Com a palavra, Jamil Murad alertou para a questão dos direitos reprodutivos: “ela deve ser debatida por toda a sociedade, que deve pressionar o Congresso Nacional a tomar uma decisão a respeito. Sabemos que essa decisão não será imediatista, pois trata-se de um assunto polêmico, mas nós médicos temos que resolver este problema, pois o número de mulheres vítimas por abortamentos clandestinos é muito alto. Não podemos esquecer que elas são vítimas de pessoas sem preparo, inescrupulosas. Muitas mulheres morrem, deixando crianças órfãs".

    Jefferson Drezett iniciou sua palestra sobre Direitos Reprodutivos definindo saúde reprodutiva como “o estado de completo bem-estar físico, mental e social em todas as matérias concernentes ao sistema reprodutivo, suas funções e processos”. Drezett lembrou que os direitos sexuais e reprodutivos começaram a ser normatizados já na assembléia de criação da ONU (Organização das Nações Unidas) em 1948, citados na Conferência Mundial de Direitos Humanos e na Conferência Mundial da Mulher em Pequim, em 1995. “O objetivo da normatização é a inclusão de ações concretas na prática dos profissionais de saúde”.

    Rosângela Talib  discursou sobre Projeto de Lei sobre Interrupção Voluntária da Gravidez. Segundo ela, que pertence a uma entidade católica não-governamental defensora do direito de decisão das mulheres, “a defesa não é pelo aborto, gostaria que nenhuma mulher precisasse abortar. A luta é pela assistência, pela saúde da mulher e pela autonomia sobre seu corpo”.

    A palestrante comentou, ainda, sobre a Comissão Tripartite, que elaborou um projeto para a legalização dos abortos, cuja proposta incluía: aborto permitido pelo simples fato de a gestante desejar, sem motivo aparente, por até 12 semanas de gestação; aborto permitido até 20 semanas, no caso de violência, mal-formação, risco à saúde da gestante; a possibilidade do representante legal decidir no caso de a gestante ser menor. Talib finalizou sua apresentação lamentando não haver expectativa de discussão legislativa para a legalização do aborto (nesses casos), neste ano: “estamos em tempo de eleição; a legislação não vai ser discutida porque os candidatos não querem associar seus nomes ao tema.”


    Antonio Gonçalves Pinheiro falou aos presentes
    sobre
    A Ética e A Publicidade
     


    Frente Parlamentar da Saúde: Avaliação das Ações 
    foi o tema da palestra proferida
    pelo deputado federal Rafael Guerra


    Áureo Del Giglio durante sua palestra sobre
    O Paciente Terminal - Eutanásia/Ortotanásia

    Após uma experiência profissional, a eutanásia gerou no Prof. Áureo Del Giglio uma polêmica interna. Ao invés de dizer se é contra ou a favor da eutanásia, Giglio apresentou outra questão: “precisamos da eutanásia?” A eutanásia é praticada ao longo do tempo e com diferentes conceitos e objetivos. Em resumo, a eutanásia acontece quando o paciente ou seus familiares pedem para morrer, fora disso é assassinato, segundo o professor. Mas, o que leva um paciente pedir para morrer? Giglio apresentou algumas causas: dores e outros sintomas, depressão e medo de se tornar um fardo para os parentes. Um familiar pede eutanásia quando está exaurido fisicamente e psicologicamente. Giglio contesta: “para todos os motivos há cuidados paliativos que eliminariam a eutanásia”. E conclui: “É preciso dar tratamento e cuidados paliativos para o paciente e atenção para os familiares, para que ninguém peça para morrer”.




    A Confidencialidade
    foi o tema abordado por
    Márcio Fabri dos Anjos

    Metodologicamente, Fabri dos Anjos, apresentou o conceito de confidencialidade e sua relação com outros conceitos como: intimidade, privacidade e confiabilidade. Segundo o palestrante, o contexto atual político permite uma reflexão sobre o assunto, trazendo para a área médica um aumento de dilemas, obrigando uma formação de critérios. “Confidencialidade deve ter limitações. Cabe aos profissionais argumentar propostas de normas de confidencialidade em suas respectivas áreas, sem deixar de respeitar a autonomia das pessoas. É preciso entender a responsabilidade social para garantir um ambiente de confidencialidade”, enfatizou Fabri dos Anjos. 




    Gabriel Oselka, coordenador do Centro de Bioética do Cremesp,
    falou aos presentes sobre o
    Ensino da Bioética


    Encerrando o último bloco de palestras da noite, foram abordados os seguintes temas: Os Perigos da Internacionalização da Amazônia e Conflitos em Ética Médica.


    Hiran Manuel Gonçalves da Silva falou aos presentes
    sobre a Internacionalização da Amazônia


    A mesa da última sessão de palestras da noite foi formada (da E. p/D.) por:
    Marco Segre, Renato Françoso, Isac Jorge, Braz Martins Neto,
    Felix Ruiz Alonso e Franklin Leopoldo e Silva


    O deputado federal Arlindo Chinaglia falou sobre
    A Regulamentação de Abertura de Escolas de Medicina


    Este conteúdo teve 40 acessos.


    CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    CNPJ: 63.106.843/0001-97

    Sede: Rua Frei Caneca, 1282
    Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

    CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO

    Imagem
    (11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

    HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
    De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

    CONTATOS

    Regionais do Cremesp:

    Conselhos de Medicina:


    © 2001-2024 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 722 usuários on-line - 40
    Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior

    O CREMESP utiliza cookies, armazenados apenas em caráter temporário, a fim de obter estatísticas para aprimorar a experiência do usuário. A navegação no site implica concordância com esse procedimento, em linha com a Política de Cookies do CREMESP. Saiba mais em nossa Política de Privacidade e Proteção de Dados.