Últimas notícias de legislação
  • 26-05-2015
    Resolução CNRM/SESU nº 1
    Regulamenta os requisitos mínimos dos programas de RM em Medicina Geral de Família e Comunidade (R1 e R2)
  • 12-05-2015
    Portaria SAS/MS nº 403
    Disciplina a compra, utilização e controle de Órteses, Próteses e Materiais Especiais(OPME)
  • 11-05-2015
    Resolução Anvisa DC nº 17
    Define critérios para importação de produto à base de canabidiol em caráter de excepcionalidade
  • 11-05-2015
    Portaria SMS.G nº 756
    Institui os Hospitais Dia da Rede Hora Certa da Secretaria Municipal de Saúde
  • 29-04-2015
    Resolução CFM 2.114
    Sobre instituições que prestam serviços médicos em uma única especialidade
  • 29-04-2015
    Lei Municipal nº 16.161
    Dispõe sobre o direito ao aleitamento materno no Município de São Paulo
  • 30-03-2015
    Lei Estadual nº 15.759
    Assegura o direito ao parto humanizado nos estabelecimentos públicos de saúde do Estado
  • 30-03-2015
    Portaria Cremesp nº 24
    Nomeia Comissão para análise e aprovação do cadastro de Defensores Dativos
  • 20-03-2015
    Resolução Cremesp nº 274
    Disciplina a responsabilidade técnica no âmbito da atenção primária à saúde
  • 16-03-2015
    Resolução Cremesp nº 273
    Estabelece critérios na relação entre médicos com as indústrias de órteses e próteses

VER TODAS

Legislação


31-08-2012

Resolução CFM nº 1.995

Institui diretivas antecipadas de vontade como conjunto de desejos expressos e manifestados pelo paciente

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA
RESOLUÇÃO CFM Nº 1.995, DE 9 DE AGOSTO DE 2012

Dispõe sobre as diretivas antecipadas de vontade dos pacientes.

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidaspela Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, regulamentada pelo Decreto nº 44.045, de 19 de julho de 1958, e pela Lei nº 11.000, de 15 de dezembro de 2004, e

CONSIDERANDO a necessidade, bem como a inexistência de regulamentação sobre diretivas antecipadas de vontade do paciente no contexto da ética médica brasileira;

CONSIDERANDO a necessidade de disciplinar a conduta do médico em face das mesmas;

CONSIDERANDO a atual relevância da questão da autonomia do paciente no contexto da relação médico-paciente, bem como sua interface com as diretivas antecipadas de vontade;

CONSIDERANDO que, na prática profissional, os médicos podem defrontar-se com esta situação de ordem ética ainda não prevista nos atuais dispositivos éticos nacionais;

CONSIDERANDO que os novos recursos tecnológicos permitem a adoção de medidas desproporcionais que prolongam o sofrimento do paciente em estado terminal, sem trazer benefícios, e que essas medidas podem ter sido antecipadamente rejeitadas pelo mesmo;

CONSIDERANDO o decidido em reunião plenária de 9 de agosto de 2012, resolve:

 Art. 1º - Definir diretivas antecipadas de vontade como o conjunto de desejos, prévia e expressamente manifestados pelo paciente, sobre cuidados e tratamentos que quer, ou não, receber no momento em que estiver incapacitado de expressar, livre e autonomamente, sua vontade.

Art. 2º Nas decisões sobre cuidados e tratamentos de pacientes que se encontram incapazes de comunicar-se, ou de expressar de maneira livre e independente suas vontades, o médico levará em consideração suas diretivas antecipadas de vontade.

§ 1º Caso o paciente tenha designado um representante para tal fim, suas informações serão levadas em consideração pelo médico.

§ 2º O médico deixará de levar em consideração as diretivas antecipadas de vontade do paciente ou representante que, em sua análise, estiverem em desacordo com os preceitos ditados pelo Código de Ética Médica.

§ 3º As diretivas antecipadas do paciente prevalecerão sobre qualquer outro parecer não médico, inclusive sobre os desejos dos familiares.

§ 4º O médico registrará, no prontuário, as diretivas antecipadas de vontade que lhes foram diretamente comunicadas pelo paciente.

§ 5º Não sendo conhecidas as diretivas antecipadas de vontade do paciente, nem havendo representante designado, familiares disponíveis ou falta de consenso entre estes, o médico recorrerá ao Comitê de Bioética da instituição, caso exista, ou, na falta deste, à Comissão de Ética Médica do hospital ou ao Conselho Regional e Federal de Medicina para fundamentar sua decisão sobre conflitos éticos, quando entender esta medida necessária e conveniente.

Art. 3º Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

ROBERTO LUIZ D'AVILA
Presidente do Conselho

HENRIQUE BATISTA E SILVA
Secretário-

Fonte: Diário Oficial da União; Poder Executivo; Brasília, 31 ago. 2012, Seção 1, p.269-270

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua da Consolação, 753
Centro - São Paulo/SP - 01301-910

Sub-sede: Rua Domingos de Moraes, 1810
Vila Mariana – São Paulo/SP - 04010-200

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 5908-5600 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE
Consolação e Vila Mariana - das 9h às 18h

 

 

 

Rede dos conselhos de medicina:
© 2001-2015 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 41 usuários on-line - 165