Cremesp na Mídia



Cerca de 97% dos médicos processados não têm título de especialista


O Globo – 29/09/2008 – Versão on line de “O Globo” também destaca pesquisa do Cremesp, ressaltando os motivos dos processos contra médicos nas áreas de cirurgia plástica, estética e beleza, bem como o resultado dos julgamentos realizados.

Cerca de 97% dos médicos que respondem a processos ético-profissionais no Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), relacionados a cirurgias plásticas e procedimentos estéticos, não possuem título de especialista na área. A lipoaspiração e os implantes de silicone são os procedimentos mais freqüentes nos processos que envolvem médicos não-especialistas. Em levantamento inédito divulgado nesta segunda-feira, o Cremesp analisou processos que tramitam no órgão de janeiro de 2001 a julho de 2008 e que envolvem 289 médicos. Em sete anos, 140 médicos foram condenados, sendo que nove deles tiveram o registro cassado.

O título de especialista não é obrigatório por lei para o exercício da Medicina, segundo o Cremesp. Ele pode ser obtido após a conclusão de Residência Médica reconhecida pelo MEC ou através de concurso de título de uma sociedade de especialidade médica oficialmente reconhecida. Mas, diz o Cremesp, o direito legal de atuar sem título de especialista não exime de culpa o profissional que pratica atos médicos para os quais não está habilitado do ponto de vista técnico e científico. Os médicos podem ser processados no Conselho de Medicina, caso exerçam especialidades para as quais não tenham formação e habilidade, chegando a causar prejuízo ao paciente. O Código de Ética Médica exige que o profissional só atue na área que domine e prevê punição a atos caracterizados como negligência, imperícia e imprudência.

Dos 289 médicos processados, segundo o Cremesp, 139 deles (o equivalente a 48,1%) não têm título em nenhuma especialidade médica. Já 143 médicos (49,5%) possuem título em especialidades não relacionadas a cirurgia plástica e procedimentos estéticos. Entre os médicos processados, figuram apenas seis cirurgiões plásticos (2,1% do total) que é a especialidade mais habilitada para a realização de cirurgias plásticas e apenas um dermatologista (0,3% do total), que também pode executar procedimentos estéticos.

Entre os médicos processados, 38% são reincidentes e respondem a mais de um processo ético-profissional. Há o caso de um único médico que tem 16 processos éticos, segundo o Cremesp. No universo de médicos processados, 59 (20,4%) são mulheres e 230 ( 79,6%) são homens. A maioria (265 ou 91,7%) tem mais de 15 anos de formado. Apenas 10 médicos processados têm menos de dez anos de profissão. Mais de 70% dos médicos julgados foram condenados e nove tiveram o registro cassado. Entre os médicos processados com título de especialista, os que mais aparecem são os ginecologistas, os cirurgiões gerais e os ortopedistas.

A maioria dos empregadores (SUS, planos de saúde e hospitais) exige dos médicos a comprovação da qualificação técnica e científica necessária para a prática de atos profissionais especializados, diz o Cremesp. Mas no caso da cirurgia plástica e dos procedimentos estéticos, em que os serviços médicos são contratados diretamente pelas pessoas, o próprio paciente precisa se informar dos riscos de fazer o tratamento com um profissional não qualificado. Um caminho é buscar informações no próprio Cremesp.

A publicidade médica irregular é o tipo de infração mais encontrada nos processos analisados pelo Cremesp nas áreas de plástica e procedimentos estéticos, com 66,87% de menções. Isso inclui promoção de médicos em revistas e programas de televisão, exposição de imagens de pacientes - o famoso antes e depois -divulgação de técnicas não reconhecidas e de procedimentos sem comprovação científica. Fazer promoções em quiosques em shoppings, consórcios e crediário para realização de cirurgias plásticas também é irregular, diz o Cremesp.

O segundo tipo de infração, que figura em 28,39% dos processos, é a suposta má prática (negligência, imperícia ou imprudência), diz o Cremesp. São casos de erro de diagnóstico, métodos inadequados de tratamento, má assistência no período pós-operatório, prescrição errada de medicamentos, complicações anestésicas, erro em cirurgias, ou alta precoce. Algumas das denúncias estão relacionadas a resultado insatisfatório de cirurgias plásticas, mas também a prejuízos à saúde do paciente e até mesmo a danos estéticos irreversíveis. Em duas das denúncias que geraram processos éticos no Cremesp as pacientes morreram.




Este conteúdo teve 26 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2021 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 104 usuários on-line - 26
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior